Colunas Crítica Musical Destaque Música Resenha

Legião Urbana: “As Quatro Estações” completa 30 anos deixando claro que o futuro ainda está nas mãos dos jovens

Com mensagens entusiastas álbum conquistou os fãs vendendo mais de 2,6 milhões de cópias

 

“É preciso amar as pessoas. Como se não houvesse amanhã. Porque se você parar pra pensar. Na verdade não há”. Com a letra de “Pais e Filhos” (uma da músicas mais marcantes da carreira da Legião Urbana), a banda que vinha de uma turnê desgastante em 1988 com o disco “Que Pais é Este (1987)”, conseguiu ocupar de vez o posto de uma das maiores bandas do Pop Rock do Brasil. “As Quatro Estações (1989)”, 4° disco de estúdio da banda que traz “Pais e Filhos” e outras canções foi o responsável por todo esse alvoroço, já que junto com o lançamento do disco, o país entrava para um novo ciclo de vida após a promulgação da Constituição da República Federativa do Brasil (1988) e a esperança de dias melhores. O disco vendeu mais 2,6 milhões de cópias sendo um dos mais comercializados do grupo.

 

Com músicas positivas e entusiastas, a Legião Urbana voltava um pouco diferente em 1989, já que o baixista Renato Rocha havia saído do grupo por seu não comprometimento com os integrantes. Todavia, com o mesmo gás visto nos primeiros álbuns da banda como “Legião Urbana (1985)”, “Dois (1986)” e “Que Pais é Este (1987)”, mas inevitavelmente, mais maduro e com Renato Russo ainda mais “intelectualizado” e ligado as questões sociais do país. A começar pela faixa “Há Tempos”, o artista já mostrava toda a sua visão sobre a juventude. “E há tempos são os jovens que adoecem. E há tempos o encanto está ausente. E há ferrugem nos sorrisos. Só o acaso estende os braços. A quem procura abrigo e proteção. Meu amor! Disciplina é liberdade. Compaixão é fortaleza. Ter bondade é ter coragem. Lá em casa tem um poço. Mas a água é muito limpa”.

 

Em seguida eles trazem “Feedback Song For A Dying Friend”, canção ao qual Renato Russo demonstra toda a sua potencialidade e proficiência no idioma Inglês. Em “Quando o Sol Bater na Janela do Teu Quarto”, a esperança reflete em todas as partes da canção. O sentimento do “faça e não espere os outros fazerem para você” fica latente na letra da canção que é também uma das mais marcantes do grupo. “Quando o sol bater. Na janela do teu quarto. Lembra e vê. Que o caminho é um só Por que esperar. Se podemos começar. Tudo de novo? Agora mesmo. A humanidade é desumana. Mas ainda temos chance. O sol nasce pra todos. Só não sabe quem não quer”.

 

Com a música “Eu Era Um Lobisomem Juvenil” a banda continua oferecendo para o ouvinte a mesma sintonia do início do álbum. “Se o mundo é mesmo. Parecido com o que vejo. Prefiro acreditar. No mundo do meu jeito. E você estava esperando voar. Mas como chegar até as nuvens com os pés no chão?”. Já em “1965 Duas Tribos” a banda retoma os sons do início da carreira, como, no álbum “Dois (1986)” e “Que Pais é Este (1987)”. No entanto, em “Monte Castelo”, Renato Russo surpreende os ouvintes por trazer citações do poeta português Luís Vaz de Camões em seu soneto 11, além do capítulo 13 de 1 Coríntios, livro da Bíblia. Na letra ele também ecoa mais uma vez que o “amor” é a melhor forma de termos uma humanidade mais unida. “Ainda que eu falasse. A língua dos homens. E falasse a língua dos anjos. Sem amor eu nada seria. É só o amor! É só o amor. Que conhece o que é verdade. O amor é bom, não quer o mal. Não sente inveja ou se envaidece. O amor é o fogo que arde sem se ver. É ferida que dói e não se sente. É um contentamento descontente. É dor que desatina sem doer”.

 

Na música “Maurício”, a Legião Urbana traz para o ouvinte e fã uma letra incrivelmente pensativa e reflexiva. Quase um “espelho” para quem deseja “boas novas” e mudanças na vida. “Até pensei que era mais por não saber. Que ainda sou capaz de acreditar. Me sinto tão só. E dizem que a solidão até que me cai bem. Às vezes faço planos. Às vezes quero ir. Pra algum país distante. Voltar a ser feliz. Já não sei dizer o que aconteceu. Se tudo que sonhei foi mesmo um sonho meu. Se meu desejo então já se realizou. O que fazer depois, pra onde é que eu vou? Eu vi você voltar pra mim”.

 

Dando sequência ao álbum “As Quatro Estações (1989)”, a Legião Urbana mostra que as escolhas nem sempre são fáceis de serem feitas, mas que independente das opiniões alheias, devem ser tomadas “sem rodeios” em busca da felicidade. A letra de “Meninos e Meninas” é um marco na história do grupo com seu público. “Quero me encontrar, mas não sei onde estou. Vem comigo procurar algum lugar mais calmo. Longe dessa confusão e dessa gente que não se respeita. Tenho quase certeza que eu não sou daqui. Acho que gosto de São Paulo e gosto de São João. Gosto de São Francisco e São Sebastião. E eu gosto de meninos e meninas. Vai ver que é assim mesmo e vai ser assim pra sempre”.

 

Na música “Sete Cidades”, Renato Russo “ecoa” todo o seu romântismo para os fãs. A música foi gravada também pelo grupo “Titãs” 10 anos depois no disco “As Dez Mais (1999)”, tributo da banda a vários nomes da MPB. A letra é linda. “Já me acostumei com a tua voz. Com teu rosto e teu olhar. Me partiram em dois. E procuro agora o que é minha metade. Quando não estás aqui. Sinto falta de mim mesmo. E sinto falta do meu corpo junto ao teu. Meu coração é tão tosco e tão pobre. Não sabe ainda os caminhos do mundo. Quando não estás aqui. Tenho medo de mim mesmo. E sinto falta do teu corpo junto ao meu”.

 

Para fechar o álbum “As Quatro Estações (1989)” com chave de ouro, a Legião Urbana traz a estoteante “Se Fiquei Esperando Meu Amor Passar”. A letra que mais uma vez mostra toda a força “poética” de Renato Russo, traz além do romantismo, trechos religiosos. “Se fiquei esperando meu amor passar. Já me basta que então. Eu não sabia amar. E me via perdido e vivendo em erro. Sem querer me machucar de novo. Por culpa do amor. Mas você e eu podemos namorar. E era simples: Ficamos fortes. Quando se aprende a amar. O mundo passa a ser seu. Quando se aprende a amar. O mundo passa a ser seu”.

 

Avaliação

 

Indicar faixas de um disco que teve quase todas as suas músicas tocadas nas rádios não é tão fácil, mas mesmo assim indico as que de fato fizeram desse álbum, um dos melhores do Pop Rock Brasil: “Há Tempos”, “Pais e Filhos”, “Quando o Sol Bater na Janela do Seu Quarto”, “Eu Era Um Lobisomen Juvenil”, “Monte Castelo”, “Maurício”, “Meninos e Meninas”, “Sete Cidades” e “Se Fiquei Esperando Meu Amor Passar”. Avalio com cinco estrelas (máxima), pois, depois de ter lançado álbuns que lotaram arenas, a banda poderia “mesmo com as exigências da gravadora EMI , ter lançado um material sem muita expressão, mas não foi o que eles fizeram. “As Quatro Estações (1989)”, foi um dos álbuns mais vendidos na carreira da banda e até hoje um dos mais lembrados pelos fãs. Álbum disponível no formato físico em CD, vinil, Deezer e Spotify. Vale a pena conferir.

 

 

Até a proxima Crítica Musical.

Crítica Musical é publicada neste espaço toda quinta-feira.

Deixe o seu comentário

Felipe de Jesus
Felipe de Jesus
Editor & Administrador [ Apoio no setor Administrativo e Financeiro ] do CulturalizaBH- Portal UAI - Redator & Coluna: Crítica Musical. ____________________________________________________________________ *Publicidade & Divulgação de Notícias MKT - Diretor [ Grupo Conteúdo (GC) ] ______________________________________________________________________ *Advocacia: Gestor Adv. - [ FJB Advocacia - Assistência Jurídica & Empresarial ] - Membro da "Associação dos Advogados Empreendedores - (AAE) - Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)". ______________________________________________________________________ *Graduado: Jornalismo pela (Faculdade - FESBH), Publicidade & Propaganda (Instituto Politécnico de São Paulo), Relações Públicas (Universidade UIB/EUA), Teólogo (Faculdade ESABI/BH-MG), Sociologia (Faculdade Polis das Artes/SP), Economia (Universidade USIP), Direito/Advocacia (FACSAL/MG) e Ms. em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação (Univ. UEMC/Espanha).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *