Colunas Crítica Musical Culturaliza Música Resenha

Lenny Kravitz lança “Raise Vibration” apostando na mesma fórmula de sucesso dos anos de 1990

Músicas remetem início da carreira; “Low” e “Raise Vibration” são carro chefe do disco

 

O início dos anos de 1990 foi bombardeado por grandes bandas de Rock And Roll, como, por exemplo o Nirvana, Pearl Jam e demais nomes que estouraram no “Grunge”. No entanto, outros nomes apostavam ainda no Rock “cru”, romântico e dançante que fez bastante sucesso nos anos de 1970 e final dos anos de 1980, como, por exemplo, o cantor e guitarrista norte americano Lenny Kravitz. Com um talento inconfundível (ele que está com quase 30 anos de estrada) começou sua carreira deixando claro que não seria apenas “mais um artista” na música mundial.

 

Prova disso foi o sucesso com os álbuns “Mama Said (1991)”, “Are You Gone Go My Way (1993)” e o clássico “5 (1998)” que traz nada mais, nada menos que músicas inesquecíveis como “Black Velveteen” e “Fly Away”. Dos anos 2000 para cá ele continuou despontando na música com grandes álbuns como “Lenny (2001)”, “Baptism (2004)”, “It Is Time for a Love Revolution (2008)” e “Black and White America (2011)”. No entanto, seu mais novo trabalho “Raise Vibration (2018)”, 11º disco, é a melhor prova de que ele ainda sabe agradar os seus fãs. O álbum traz meras semelhanças a trabalhos que fizeram dele um dos maiores nomes da música.

 

A começar pelo estilo “Rock Star”, já que Lenny Kravitz voltou a usar o cabelo grande (com Dreads) reforçando o estilo marcante nas fotos de seus primeiros discos. Mas, nem só do cabelo “grande” Lenny Kravitz fez questão de reviver momentos, mas também do estilo musical que o fez estourar para o mundo. O álbum “Raise Vibration (2018)” traz canções bem próximas de sucessos antigos, como, por exemplo “We Can Get It All Together” (primeira faixa) que parace ter sido retirada do seu aclamado disco “Let Love Rule (1989)”, tanto na batida, quanto na “incrível” guitarra.

 

Já em “Low”, Lenny Kravitz faz questão de trazer toda sua influência “Black e Soul” dos anos de 1970. Além da letra, a música tem um swing incrível e dançante desta época. A faixa cairia muito bem para o álbum “5 (1998)” ou mesmo “Baptism (2004)”. Em “Who Really Are the Monsters?”, Lenny Kravitz leva o ouvinte aos hits dançantes do final de 1980, já em “Raise Vibration” (faixa título do álbum), ele volta ao estilo inconfundível que marcou sua carreira em “Are You Gone Go My Way (1993)”. Em “Johnny Cash” ele faz uma bela homenagem ao artista que marcou tantas gerações. A letra é tocante: “Apenas me abrace forte pelo resto da minha vida. Com você ao meu lado. Eu teria uma chance. Apenas Me segure como Johnny Cash. Quando eu perdi minha mãe. Sussurre no meu ouvido como Johnny Cash”.

 

Em “Here to Love”, ele volta ao romântismo que tanto marcou sua carreira, como no álbum “Mama Said (1991)”. Em “It’s Enough”, Lenny Kravitz traz mais uma vez o swing conhecido em sua carreira. A música remete a sons do aclamado disco “Circus (1995)”. Já em “5 More Days ‘Til Summer” Lenny Kravitz traz boas “vibes” e uma grande semelhança a músicas do álbum “Baptism (2004)”, como por exemplo a canção “Califórnia”. Com essa mesma linha ele segue na música “The Majesty Of Love”. Em “Gold Tust”, “Ride” e “I’Il Always Be Inside Your Soul”, o romântismo volta à brilhar como na época do álbum “Let Love Rule (1989)”.

 

Avaliação

 

Entre as faixas que gostei, indico: ” We Can Get It All Together”, “Low”, “Rise Vibration”, “Johnny Cash”, “5 More Days ‘Til Summer”, The Majest Of Love” e também “Ride”, que traz um violão elétrico de primeira qualidade. Avalio com cinco estrelas (avaliação máxima) pois, em “Strut (2014)”, o cantor parecia estar perdido no estilo musical que ele mesmo criou. O álbum não foi muito bem aceito pela crítica e mostrava um “Lenny Kravitz vaidoso” e musicalmente pouco inspirado. Já em “Raise Vibration (2018)”, ele voltou a mostrar que sua música ainda pode agradar os antigos e também novos fãs. O álbum já está disponível no Deezer e também no Spotify. Vale a pena escutar esse grande álbum.

 

 

 

 

 

Até a próxima Crítica Musical.

Deixe o seu comentário

Felipe de Jesus - Siga: @felipe_jesusjornalista
Felipe de Jesus - Siga: @felipe_jesusjornalista
Editor & Administrador [ Apoio no setor Administrativo e Financeiro ] do CulturalizaBH- Portal UAI - Redator & Coluna: Crítica Musical. Filiado: FENAJ & FIJ | AIN | SINAJ | Abramídia | UBI _________________________________________________________________________ ■ Publicidade & Divulgação de Notícias MKT - Diretor [ Grupo Conteúdo (GC) ] _________________________________________________________________________ ■ Advocacia: Gestor Adv. - [ FJB Advocacia - Assistência Jurídica & Empresarial ] - "Associação dos Advogados Empreendedores - (AAE/OAB)". ________________________________________________________________________ ■ Graduado: Apaixonado pela área acadêmica, Felipe de Jesus é formado em Jornalismo pela (Faculdade - FESBH), Publicidade & Propaganda (Instituto Politécnico de São Paulo), Teólogo (Faculdade ESABI/BH-MG), Sociologia (Faculdade Polis das Artes/SP), Economia (Universidade USIP), Direito/Advocacia (FACSAL/MG) , Ms. em Comunicação Social: Jornalismo e C.Informação (Univ. UEMC) e atualmente cursa Engenharia de Redes & Telecomunicações - Seg. Digital (FCCNA).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *