Culturaliza Em casa

Orquestra Sesiminas Musicoop apresenta “O Fagote em dois tempos”

No dia 16 de junho, quarta-feira, a Orquestra Sesiminas Musicoop segue as comemorações de 35 anos de história com o concerto “O Fagote em dois tempos”, que integra a programação da série Sempre às Quartas. No repertório, composições de Vivaldi e Villa-Lobos.  O concerto conta com participação dos solistas convidados, os fagotistas Victor Morais e Francisco Silva. A regência e direção artística são de Felipe Magalhães. A apresentação começa às 20h, no palco do Teatro Sesiminas (sem a presença do público), e terá transmissão, ao vivo, pelo canal do Youtube da orquestra: . Classificação indicativa: livre. Duração: 50 minutos.

 

Dedicada a Antonio Lucio Vivaldi (1678 – 1741), a primeira parte do concerto abre com Sinfonia ao Santo Sepulcro”, obra barroca composta em dois movimentos para cordas. Para Felipe Magalhães, “a sinfonia é uma peça de audácia harmônica que surpreende. O primeiro movimento (Adagio Molto) começa com um prelúdio lento, com passagens harmônicas tensas e pouco comuns. O segundo (Allegro ma poco) é um movimento polifônico com fuga dupla. Vivaldi escreve dois temas musicais que caminham juntos e se cruzam dando a ideia de cruz, remetendo ao título da obra”.

 

A peça seguinte é “Concerto para Fagote em mi menor”, um dos 37 concertos para fagote compostos por Vivaldi. O artista italiano foi um dos expoentes do gênero concertante, com mais de 300 escritos. “O Concerto é um tipo de composição musical que coloca em oposição um ou mais solistas à frente da massa orquestral. Ele surge no período barroco e se desenvolve com Vivaldi, sobretudo, a partir do início do século XVIII”, explica Felipe Magalhães. A obra Concerto para Fagote em mi menor conta com solo de Francisco Silvafagotista da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, que será acompanhado por cordas e teclado.

                           Rafael Motta

Prelúdio das “Bachianas Brasileiras nº 4” de Heitor Villa-Lobos (1887 – 1959) inaugura a segunda parte do concerto. As Bachianas, escritas entre 1930 e 1945, formam uma série de nove obras que combinam elementos do folclore brasileiro com a técnica composicional de Johann Sebastian Bach – compositor preferido de Villa. “As Bachianas nº 4 foram pensadas originalmente para piano. O próprio Villa-Lobos orquestrou mais tarde para cordas. É uma peça muito bonita, melodia expressiva. Consegue ser tão bachiana quanto brasileira”, afirma.

 

“Ciranda das Sete Notas” foi escrita por Villa-Lobos, em 1933, para fagote e cordas, e é dedicada à Mindinha, segunda esposa do compositor. Com acompanhamento de orquestra de cordas, a obra permite uma exibição tranquila e completa por parte do solista, sem os receios causados pelo volume sonoro da Orquestra Sinfônica. “Villa escreveu uma peça explorando ao máximo as capacidades técnicas e sonoras do fagote”. A peça traz solo do fagotista Victor de Morais, da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais.

 

SERVIÇO

Orquestra Sesiminas Musicoop apresenta “FAGOTE EM DOIS TEMPOS”

concerto da série Sempre às Quartas

16 de junho, quarta – 20h

Obras de Vivaldi e Villa-Lobos para fagote e cordas

 Ao vivo, no Youtube da Orquestra Sesiminas Musicoop

https://www.youtube.com/orquestrasesiminasmusicoop

Deixe o seu comentário

Ycaro Rodarte
Mineirinho do interior que torce para o São Paulo e adora o Rock in Rio. Dependendo do dia, apenas a melhor pessoa que você vai conhecer hoje.
http://culturalizabh.com.br