Analise Brasil Colunas Crítica Musical Culturaliza Destaque Música

Sem playback: Caetano Veloso lança álbum com o clarinetista “Ivan Sacerdote” promovendo um novo olhar sobre as canções sensíveis de “Caê”

Álbum tem a participação do sambista Mosquito, percussão de Moreno Veloso e toques do violonista
Cezar Mendes; “O Ciúme, “Minha Voz” e “Manhatã” são alguns hits deste novo trabalho 

Coluna: ‘Crítica Musical’
Jornalista | Colunista & Editor
Felipe de Jesus
Siga: @felipe_jesusjornalista

A música brasileira tem grandes nomes e com certeza, Caetano Veloso está no topo. Com uma discografia excelente, o artista que sempre experimenta novas parcerias musicais, acaba de apostar em mais uma e agora com o clarinetista Ivan Sacerdote no álbum “Caetano Veloso & Ivan Sarcedote (2020)”. Ivan Sarcedote é Bacharel em Clarinete e já trabalhou com Luiz Caldas , Baiana System e etc.

Ivan Sacerdote e Caetano Veloso em uma apresentação do novo álbum. 

 

Agora, eles se juntam para consolidar essa mistura musical, que aliás, deu mais do que certo, basta ouvir o álbum (com gravações adicionais feitas em Nova York, no estúdio da Vevo) para comprovar! Com Caetano (voz e no violão), mais participações do violonista Cezar Mendes, do filho Moreno Veloso na percussão e do sambista Mosquito, eles abrem com “Peter Gast”. A faixa já começa com o lindo clarinete de Ivan, dosado ao ótimo violão de Cezar Mendes. O vocal de Caetano Veloso é algo a parte, já que é o mesmo até hoje! Em “Aquele Frevo Axé”, a introdução do clarinete de Ivan é tocante!

Ivan Sarcedote, Caetano Veloso e Cezar Mendes.

Com “Trilhos Urbanos”, parece que estamos ouvindo o disco “Cinema Transcendental (1979)”. Em “O Ciúme”, o violão de Cezar mais uma vez surpreende! Na faixa “Você não Gosta de Mim”, o clarinete de Ivan traz um clima meio jazzístico. Já em “Minha Voz”, a impressão de estarmos ouvindo o álbum “Livro (1998)” e em “Onde o Rio é Mais Baiano”, os clarinetes dão o tom perfeito e emendam em “Desde que o Samba é Assim” e “Manhatã”.

Avaliação ||

Deste trabalho primoroso, indico as faixas (em uma nova roupagem) que são “O Ciúme”, “Minha Voz” e “Manhatã”. Por ser um trabalho sem playback. “Não ensaiamos quase nada”, conforme disse Caetano, dou cinco estrelas (máxima), pois mesmo estando concentrado na criação de um álbum de inéditas, ele mostrou que quando o assunto são novas experimentações musicais, não existe perda de tempo! Se você ainda não ouviu o álbum, escute!

 

 

Fotos: Caetano Veloso
Até a próxima Crítica Musical.
A coluna é publicada neste espaço toda semana.

Se você ainda não ouviu o álbum
“Caetano Veloso & Ivan Sarcedote (2020)”, confira! 

 

Deixe o seu comentário

Felipe de Jesus
Felipe de Jesus
- Editor e Administrador do portal do CulturalizaBH | - Jornalista/Colunista: Crítica Musical _______________________________________________________________________ Jornalista, Teólogo, Sociólogo, Letras (Literatura) e Bel. em Economia. Tem Mestrado em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação, Doutorado em Ciências Sociais e atualmente cursa Direito. Apaixonado por música, colabora com rádios e portais falando sempre sobre álbuns, coberturas de shows e etc. Tem como hobbie comprar CDs e também vinis. "Minha paixão pela música brasileira me faz quase um pesquisador. Um amor que vem da adolescência" (Felipe de Jesus). _______________________________________________________________________ [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *