Destaque Dicas Gratuito ou a baixo custo

O Cura já está pintando mais prédios em BH; confira a programação

Quem anda por BH já percebeu que muitos prédios na região central nos presenteia com uma vista bem alegre e colorida, não é?! Pois é, todos esse lindos desenhos gigantes fazem parte do CURA, o primeiro festival de pintura em empenas de Belo Horizonte. 

 

O festival é idealizado por Janaína Macruz, Juliana Flores e Priscila Amoni e resgata a trajetória da arte urbana na cidade, reconhecendo sua atual dimensão e força no Brasil e no mundo. Tudo começou em 2017, quando foram realizadas pinturas em 4 prédios e dois muros, localizados na rua Sapucaí e outro dentro da Estação Central do Metrô. Logo depois, uma edição especial, em homenagem aos 120 anos de BH foi realizada em mais 2 prédios ganharam lindas artes.

 

Crédito: Area de Serviço

 

A rua Sapucaí foi a privilegiada e se tornou o primeiro mirante de arte urbana do mundo. Todos os murais têm entre 450 e 1700 metros. Um deles é o mural mais alto pintado por uma mulher na América Latina com 56 metros de altura.

 

Edição 2018

 

Desde 0 dia 05 de novembro, mais edifícios estão ganhando lindas pinturas. Eles são: Amazonas Palace Hotel, o Edifício Chiquito Lopes e as duas torres do Edifício Satélite. Todos possuem uma grande representatividade em nossa cidade. O Amazonas Palace Hotel, por exemplo, foi construído na década de 1950 e, atualmente, é tombado pelo patrimônio histórico e artístico de Belo Horizonte. 

 
Já o Edifício Chiquito Lopes, que fica localizado na rua São Paulo, era um prédio comercial até o final da década de 1990. Em 2007, foi reformado e ganhou 167 apartamentos residenciais. O Edifício Satélite é um condomínio construído em 1958 e possui uma arquitetura moderna incrível. O CURA passou pelo prédio na edição 2017 e pintou a fachada menor.
 
 
 
 
Os artistas responsáveis pelas artes da edição deste ano são: 
 

1- HYURO (Argentina)

Empena: Amazonas Palace Hotel

Av Amazonas, 120.

Tamanho: 26,50m de largura X 40m de altura

 

2 – CRIOLA (Belo Horizonte)

Empena: Ed. Chiquito Lopes

Rua São Paulo, 351

Tamanho: 30m de largura X 45,50m de altura

 

3 – COMUM (Belo Horizonte)

Empena: Ed. Satélite

Rua da Bahia, 478

Tamanho: 8,65m de largura X 65,70m de altura

 

4 – EMPENA DE LETRAS (vários artistas)

Curadoria: Surto e Nica

Empena: Ed. Satélite

Rua da Bahia, 478

Tamanho: 8,15m de largura X 62,60m de altura

 

Programação

 

Foto: Bruno Figueiredo / Área de Serviço

 

Além das pinturas, o festival conta com várias outras atrações, como rodas de conversas, sessões comentadas e outras atividades. Abaixo, deixamos a programação completa pra você se deliciar! <3 

 

 TODO OS DIAS

Pintura das empenas

(9h às 18h)

 

Mirante Cura

(16h às 22h)

De 05 a 09 de novembro

Residência artística CURA – mulheres grafiteiras

Local: Galeria de Arte BDMG Cultural

 

ATIVIDADES CULTURAIS GRATUITAS

Local: Casa Sapucaí ( Rua Sapucaí, 303)

 

Terça-feira, 06/11

CineCURA: Mur murs, de Agnès Varda (FR)

Sessão comentada pela pesquisadora Carla Maia.

(19h às 22h)

 

Quarta-feira, 07/11

CineCURA: Wild Style, de Charlie Ahearn (EUA)

Sessão comentada por PDR, integrante da Família de Rua.

(19h às 22h)

 

Quinta-feira, 08/11

CineCURA: Residência Sarandira, de Fernando Biagioni (BH)

Sessão comentada por Bernardo Biagioni e Raul Sampaio. Parceria Instituto Amado

(19h às 22h)

 

Sexta-feira, 09/11

Aulão: 10 anos de PDF Crew

(19h às 21h)

 

Sábado, 10/11

Mesa: Rua Sapucaí – um espaço público em debate.

Com Roberto Andrés, Jordana Menezes e representantes do grupo de pesquisa Interdisciplinar da UFMG

(16h às 18h30)

 

11/11, domingo

CineCURA: As Cores da Serpente, de Juca Badaró e Renata Matos (BA) Sessão comentada pelas artistas Zi Reis e Paula Kimo

 

12/11, segunda-feira

Oficina: Mulheres nas artes visuais, com Flaviana Lasan

(9h às 12h)

 

13/11, terça-feira

Oficina: Mulheres nas artes visuais, com Flaviana Lasan

(9 às 12h)

Aulão: O mercado para a arte urbana: galerias, feiras e festivais, com Enivo (A7MA Galeria – SP)

 

14/11, quarta-feira

Oficina: Mulheres nas artes visuais, com Flaviana

(9h às 12h)

Exposição Enivo na Real Vandal

Ed. Arcangelo Maletta, sobreloja 21

(18h)

CineCURA: A Febre – Graffiti no Espírito Santo, de João Oliveira (ES)

Sessão comentada pelo diretor João Oliveira e a editora Juane Vaillant

(19h às 22h)

 

15/11, quinta-feira

Oficina: Manual de Sobrevivência do Artista Independente (parceria com Instituto Amado)

(9h às 18h)

Fluxo Galeria Urbana

A Fluxo Galeria Urbana, curada e organizada pelos artistas Comum e Surto, é uma feira de arte que apresenta artistas urbanos mineiros.

(10h às 22h)

Griot Urbano com Monge: Escritores e escritoras de Graffiti

(16h às 18h)

CLIMA CURA (18h)

Debate: A ausência de negrxs na arte

Participam desta mesa as grafiteiras Wanatta e Criola, a pesquisadora e jornalista Simone Moura, a artista visual e pesquisadora Flaviana Lasan. Mediação: Tatiana Carvalho

(19h30 às 22h)

 

16/11, sexta-feira

Fluxo Galeria Urbana

(10h às 22h)

Pedalando pelo CURA. Parceria Instituto Amado

Ponto de encontro: Casa Sapucaí

(14h às 18h)

Aula aberta: Como pintar uma empena?, com Jana Macruz, Juliana Flores e Priscila Amoni, idealizadoras do CURA

(16h às 18h)

Mesa: Cultura CURA – Os rumos e desvios da arte e cultura na atual situação política do Brasil. Com Áurea Carolina, Cida Falabella, Andréia de Jesus e Bella Gonçalves.

(19h às 21h30)

 

17/11, sábado

Passeio no mirante de Arte Urbana

Com Priscila Amoni, idealizadora do CURA 

(10h às 11h)

Fluxo Galeria Urbana

( 10h às 22h)

Reunião Geral: A cena da arte urbana de BH

Mediação: Janaína Macruz

(16h às 18h)

 

18/11, domingo

Fluxo Galeria Urbana

(10h às 22h)

Festa encerramento CURA

(10h às 22h)

 

Acompanhe o CURA pelas redes sociais:

 

www.facebook.com/curafestival

www.instagram.com/cura.art

www.twitter.com/cura_art

[email protected]

Deixe o seu comentário

Charles Douglas
Charles Douglas
Virginiano, metropolitano de Ibirité, mas com a vida construída em BH, jornalista recém formado e apaixonado pelos rolês culturais da capital mineira. Está perdido no mundo da internet desde quando as comunidades do Orkut eram o Culturaliza de hoje. Quando não está com a catuaba nas mãos, pelas ruas de Belo Horizonte, está assistindo SBT ou desenhos no Netflix.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *