Colunas Culturaliza Literaliza BH Literatura Livros

Até o dia em que o cão morreu | Daniel Galera

Até o dia em o cão morreu é um livro de ficção brasileira, com uma pegada forte de drama e  reflexões sobre a moderna.

 

Conta a história de um jovem sem nome, que vive isolado no alto de um edifício na cidade de Porto Alegre. Totalmente sem perspectiva de futuro, ele é avesso a contato social, não fica em nenhum emprego, e depende financeiramente da bondade dos pais.

 

Contudo, ele deliberadamente não se envergonha por isso, pelo contrário, a situação é uma muleta que ele usa para justificar todas as suas ações. O jovem gasta seu dinheiro em bebidas, comida e cigarro. É um estado de prostração absurda, desesperança, solidão que chega ao ponto do cara não ter telefone em casa, por exemplo, para não viver com a possibilidade de receber ligações, e sofrer quando ninguém ligar.

 

“Não consigo conviver muito tempo com ninguém”. (pág12)

 

É engraçado que a atitude dele não condiz com os jovens de sua idade. A propósito, gosto dessa estratégia de não nominar as pessoas, dá se impressão de que se pode ser qualquer um, alguém próximo a você ou simplesmente ninguém. Contudo a veracidade do contexto jovem atual, com a famosa geração “nem nem”, nem trabalha nem estuda, é fácil identificar o personagem e até mesmo dá rosto ao mesmo.

 

A vida do jovem apresenta uma leve mudança, apesar de ele não a perceber de imediato, quando ele acolhe em sua casa um cachorro que viu na rua, magro, morto de fome. Contudo sua relação, com o cachorro, também a princípio sem nome, é conturbada. Ele não hesita em bater no animal e humilhá-lo sempre que este o desagrada de alguma forma.

 

Com o passar dos tempos, e evolução emocional do personagem, vemos que o animal passa a fazer parte de sua vida. Os relatos de “importância” que ele dá as atitudes do cachorro, são hilárias e ao mesmo tempo só denotam a situação de letargia que é sua vida. Dá um desespero vê-lo vivendo assim, apesar de que não criei empatia imediata com ele.

 

É difícil não julgar a situação que ele vive, descarregando suas frustrações no cigarro, no cachorro e na Marcela, uma modelo em ascensão, que se envolve com o jovem e passa a viver com ele um relacionamento abusivo, se submetendo aos maus tratos, grosseria e machismo do personagem.

 

Marcela aliás, é completamente o oposto do jovem. Ela trabalha incansavelmente juntando dinheiro para realizar seu sonho de viajar pelo mundo, conhecer pessoas, ganhar dinheiro, para ter paz no futuro, morar em uma casinha sossegada no interior. 

 

Por todo o desenrolar da história, e veja bem, é uma narrativa que te prende e demanda curiosidade quanto a redenção ou não do personagem principal, o que acontece quando morre o cachorro? (título do livro) e qual será o destino Marcela? Por que ela se submete a isso? E ainda, o que esconde o porteiro enigmático, pintor e criador de sorvete com sabores incomuns? Quando menos se espera você está a 10 páginas de acabar o livro e ansiando por uma continuação.

 

É uma história que mostra como as pessoas deixam marcas em nossas vidas, mesmo que muitas vezes nos recusamos a tê-las.

 

Gostei bastante da escrita do Daniel Galera e certamente lerei mais histórias dele. É uma leitura diferente, em um gênero diferente do que estamos acostumados. Com poucas páginas, linguagem simples, com pequenas doses dos trejeitos e sotaques do Sul, além de citações e referências bem nacionais.  

 

A edição da Companhia das Letras é caprichada, com folhas grossas, letras grandes, que facilitam a leitura. A capa, a propósito é linda!!

 

Até o dia em que o cão morreu é um livro intenso, ao mesmo tempo a leitura é ágil, reflexiva e envolvente. Me prendeu desde o prólogo, e no final me fez traçar diversas teorias.

 

Daniel Galera é um dos principais escritores da nova geração. Nasceu em São Paulo, contudo passou a maior parte da vida em Porto Alegre. Entre contos, romances, HQs e participações em antologias, ele já tem mais de 15 obras publicadas, e traduções para países como, Inglaterra, Estados Unidos, França, Itália, Argentina, Portugal, Romênia e Holanda.

 

Gosta de literatura? Veja outras resenhas e críticas. 

 

Filhos da Senzala

Quarto de despejo  – Diário de uma favelada

7 livros infantis que ensinam muito a pais e filhos

Harry Potter 20 anos! A experiência de leu depois dos 30 anos

Grandes incentivadoras da literatura, bancas de jornal e revista resistem ao tempo

Clube de Leitura das Minas valoriza a literatura feminina e empodera leitores em BH

Clube de Leitura do Belas preza pelo ineditismo e outras pouco conhecidas do grande público

 

 

Esta coluna é publicada invariavelmente as segundas, porque às vezes o livro é bem grande (rs)

Envie seu e-mail para a colunista: [email protected]

Quer saber mais sobre literatura acesse: www.literalmenteuai.com.br

Deixe o seu comentário

Elis Rouse
Elis Rouse
Sou Elis, não sou Regina; sou do interior e amo a capital; sou jornalista, mas não trabalho em jornal; amo ler, sonho escrever; dicas vou dar, dicas quero receber; experiências vamos trocar; literatura brasileira vamos amar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *