Literatura Poesia

Poetiza BH: De quem não é Belchior, mas queria…

Quantas vezes me arremessei
Dos postes
Até a sacada do dia
Que me diziam seus olhos
Por quantos invernos esperei suas mãos
Lançado das nuvens para dentro dos seus caprichos
De tantas formas deixei a cidade desabar
Só para que me olhasse
Quantos voos partiram
E seus pés
Sem tocar os meus
Pela intimidade com que escrevo
As pontes
Suspensas
Parecem me ouvir
Concedem passagem
Em instantes de tempo estático
Redesenhamos as ruas
E em uma esquina acabei por me encostar na sua
Dança que outra vez
Avoava em mim
Depois de tantos lances
Dado que já não tinha mais asas
Senti que amar não é coisa de céus
Já estava de novo arremessado para dentro do seu novo apartamento…

 

Poema de Bernardo Nogueira

Foto: Wagner Correa

Instagram: Café de Imagens

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *