Analise Colunas Crítica Musical Culturaliza Música Resenha

Roxette: “Joyride” completa 28 anos mostrando o que é Pop Rock de verdade

Álbum vendeu mais de 11 milhões de cópias no mundo todo; “Joyride”, “Fading Like Flower (Every Time You Leave), “Spending My Time” e “The Big L.” são alguns dos hits; Turnê ‘Join The Joyride World Tour’ passou por BH/MG no ano de 1991

 

O início dos anos de 1990 foi marcante para muitas bandas de Pop Rock e não seria diferente para o Roxette. Após o lançamento dos álbuns “Pearls Of Passion (1986)” e “Look Sharp! (1988)”, que não fizeram tanto barulho, mas venderam bem, eles deram uma pausa e retomaram a carreira com “Joyride (1991)”, um dos álbuns mais expressivos do grupo. O disco foi praticamente o responsável por selar de vez o nome do Roxette e do “duo”, Marie Fredriksson e Per Gessle na música mundial. Prova disso, foi que o disco vendeu mais de 11 milhões de cópias fazendo o grupo se tornar um dos mais famosos no estilo Rock Pop/Romântico. O sucesso foi tanto que a banda excursionou pelo Brasil com a turnê “Join The Joyride World Tour 1991-92” e Belo Horizonte/MG foi uma das cidades premiadas. Para ‘Alexandre Gaia’ (apresentador do programa Momento Celebridades da TV Band Minas), o show realizado no estacionamento do Shopping Del Rey no ano de 1991 foi inesquecível. “Eu estava com 21 anos de idade e foi a primeira vez que uma banda internacional deste ‘nipe’ veio em BH. Eles deram um show de verdade! Tanto que eu não tinha vontade nem de ir embora. Essa apresentação do Roxette está gravada na  minha memória para sempre. Foi o show da minha vida!”, comentou.

 

Além dos shows inesquecíveis pelo Brasil e pelo mundo, o álbum “Joyride (1991)” ficou na memória dos fãs por causa dos vários sucessos. “Joyride” é a primeira faixa do álbum e além dos vocais impecáveis de Marie Fredriksson e Per Gessle, traz também guitarras na medida e batidas eletrônicas em pura consonância. A faixa é até hoje um dos maiores sucessos do grupo. Em seguida eles trazem  “Hotblooed” com a mesma intensidade e a característica única da banda. A faixa é ótima, mas, pelo o que me recordo, não emplacou nas rádios. Já com “Fading Like Flower (Every Time You Leave), o Roxette mostra toda a sua força Pop/Romântica. A faixa é também um hit marcante e faz parte de várias coletâneas do grupo.

 

Com “Knocki’n Every Door”, Per Gessle traz também sua versatilidade, já que além das guitarras, ele assume o vocal da música. Com “Spending My Time” o Roxette assume de vez o posto de um dos grupos mais fortes no quesito ‘balada romântica’. A música esteve no topo das paradas musicais e é uma das mais lembradas pelos fãs. O violão elétrico e as batidas dão força para o belo refrão. “I Remember You” traz guitarras muito bem tocadas em consonância com a voz de Marie Fredriksson. Mais um hit de “Joyride (1991)”. “Watercolours In The Rain” repete o violão elétrico já usado na música “Spending My Time”, no entanto, a faixa não tem a mesma força, mas é boa, já que o refrão é forte. Em seguida eles chegam com “The Big L.”, hit romântico estourado do álbum e que tem o duo mais uma vez cantando juntos. Além da guitarra e das batidas que são ótimas, a música é bem dançante. Eu gosto muito desta faixa!

 

Com “Soul Deep”, parace que o Roxette queria voltar aos hits dos primeiros discos. É uma faixa empolgante, mas com pouco diferencial do que já conhecemos do Roxette. Em “(Do You Get) Excited?”, o estilo romântico mais uma vez toma a cena. Mesmo sendo uma faixa “Lado B”, ou seja, desconhecida por muitos admiradores do grupo, é uma canção muito bem produzida. “Church Of You Heart” tem Per Gessle dominando os vocais em parceria com Marie Fredriksson. As guitarras também aparecem em evidência neste hit. “Small Talk” traz a essência das canções dos anos de 1990. Para mim é uma faixa que vale a pena ser escutada, tanto pela batida quanto pela melodia. Que refrão! Se não chegou a tocar nas rádios, posso dizer que foi um desperdício total, já que é bem “chiclete”. Eu adoro essa música! Em seguida eles trazem as baladas “Physical Fascination”, “Things Will Never Be The Shame”, e fecham com a incrível e bela “Perfect Day”, que traz uma melodia impactante.

 

Avaliação

 

O Roxette fez parte da minha adolescência e dos meus 14 até 16 anos de idade, foi um dos grupos que eu mais ouvi. Neste período o único álbum que eu tinha deles era o incrível “Dont Bore Us – Get To The Chorus – Roxette Greatest Hits (1995)” que além dos hits conhecidos da carreira, ainda trazia quatro novos sucessos incríveis  A partir disso tive a chance de conhecer outros álbuns deles, incluindo o magnífico “Joyride (1991)”. Me apaixonei com esse trabalho que para mim é um dos melhores discos do duo, tanto que tenho duas cópias em vinil! Dele indico as canções “Joyride”, “Fading Like Flower (Every Time You Leave), “Spend My Time”, “The Big L.”, “(Do You Get) Excited?” e “Small Talk” que são incríveis. Avalio com cinco estrelas (máxima), pois, conseguir estar no topo das paradas ao lado do U2, com seu “Achtung Baby (1991)”, Nirvana, com seu “Nevermind (1991)”, Red Hot Chili Peppers, com seu “Blood Sugar Sex Magik (1991)”, REM, com seu “Out Of Time (1991)”, Michael Jackson, com seu “Dangerous (1991)” e Guns N’ Roses, com seu “Use Your Illusion I (1991)”, não foi uma tarefa fácil, mas o Roxette fez isso muito bem! Se você ainda não ouviu “Joyride (1991)”, escute, pois serão 55 minutos muito bem gastos. Já disponível no formato físico e nas plataformas digitais.

 

 

Fotos: Roxette
Até a próxima Crítica Musical.
A coluna é publicada neste espaço toda semana

Deixe o seu comentário

Felipe de Jesus
Felipe de Jesus
- Editor e Administrador do portal do CulturalizaBH | - Jornalista/Colunista: Crítica Musical _______________________________________________________________________ Jornalista, Teólogo, Sociólogo, Letras (Literatura) e Bel. em Economia. Tem Mestrado em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação, Doutorado em Ciências Sociais e atualmente cursa Direito. Apaixonado por música, colabora com rádios e portais falando sempre sobre álbuns, coberturas de shows e etc. Tem como hobbie comprar CDs e também vinis. "Minha paixão pela música brasileira me faz quase um pesquisador. Um amor que vem da adolescência" (Felipe de Jesus). _______________________________________________________________________ [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *