Culturaliza Literatura Poesia

Poetiza BH: Das mentiras públicas

Agora o tempo do conceito
Das coisas velhas e das coisas novas
Feito um tropicalista encaretado
As sombras é que sabem
O quanto custa o sol
Mas vive-se querendo a luz,
Do parto
Do dia
E do fim do túnel
Enquanto isso
Me protejo
Da luz excessiva
Que é morte do segredo
E diz-se para abrir janelas à vida
Quando espero a noite só pra me fechar
Junto das flores
Nos encontramos na cópula do mundo
Dentro de mim há o mundo
Da vida que a luz ofuscou
Cerrados os portões
Digam lá
Moderno ou antigo
Daqui de dentro
Só o sangue e o suor dirão
E eles
Escorrem calçada abaixo
Enquanto não cessam de escrever livros de histórias
Quanta mentira há em uma janela aberta
Quanta mentira há entre a casa e a rua…

 

Poema de Bernardo Nogueira

Foto: Wagner Correa

Instagram: Café de Imagens

 

Deixe o seu comentário

Bernardo Nogueira
Bernardo Nogueira
Professor da Escola de Direito do Centro Universitário Newton Paiva, mestre em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, doutorando em Direito pela PUC/MG, autor dentre outros dos livros: "Cinema com Filosofia", "FOTOcontinuo", "Avôrio", "Direito e Literatura". Talvez poeta...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *