Cobertura Destaque Música Resenha Resenhas Shows

Los Hermanos deixaram gosto de quero mais em BH

Nesta última sexta-feira (26/04) o Culturaliza BH entrou em campo e foi conferir, na Esplanada do Mineirão, o show tão esperado do quarteto Los Hermanos. Um retorno depois de uma apresentação sem precedentes que levou milhares ao mesmo lugar em outubro de 2015. Com um Marcelo Camelo inspirado, a noite foi incrível regado pelos maiores sucessos da banda.

 

Antes do show mais esperado da noite, o cantor e compositor carioca, Rubel, fez um show lindo e intimista que, com certeza, deixou muita gente sua fã e satisfez aqueles que não conseguiram comparecer em seu show que rolou a um dia antes, na quinta (25/04), no Cine Theatro Brasil Vallourec

 

Foto: Charles Douglas

 

O quarteto formado pelo Marcelo Camelo, Amarante, Bruno Medina e Rodrigo Barba promoveram uma noite memorável que teve início ao som de A Flor, do segundo álbum, o mais cultuado e menos popular do que o subsequente, Ventura, mas que ajudou na formação da identidade dos Hermanos. A noite também teve o som da mais recente canção “Corre Corre”, uma gravação circunstancial, uma vez que o cantor e compositor Marcelo Camelo não havia feito a música especificamente para a banda, e que deverá ser a única novidade da banda por um bom tempo.

 

Foto: Charles Douglas

O show que foi celebrado pelo público da primeira á última música, ainda teve “Pierrot”, “Pois é”, a minha preferida “Samba a dois”, “Além do que se ve”, mas a noite teve seu auge, quando Amarante interpreta “Sentimental”, nesse momento a esplanada é toda iluminada feito estrelas com uma contribuição do público pelas luzes dos celulares. A noite ainda reservava um pouco mais de energia quando a banda tocou “Quem Sabe” e “Descoberta” onde Camelo e sua trupe abusam dos metais e da guitarra, e para finalizar não poderia falta o clássico “Anna Julia”, do álbum de estreia do Los Hermanos.

 

 

 

Joseane Santos
Joseane Santos
Canceriana do coração apaixonado, amante da boa música, atleticana no corpo e na alma, mineirinha do interior que encontrou na capital seu lugar no mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *