Cinema Cobertura Destaque

Em noite cercada de polêmicas e sem surpresas, Netflix sai a grande ganhadora do Globo de Ouro!

Abrindo a temporada de prêmios, Globo de Ouro já começa a desenhar a corrida pelo Oscar em um ano até não tanto imprevisível para a TV e o cinema.

 

Tina Fey e Amy Poehler ficaram por conta da apresentação.

 

Nesse domingo (28/02), foi realizada a primeira premiação da temporada, o Globo de Ouro. Pela primeira vez, acontecendo em duas cidades em simultâneo, Los Angeles e Nova York, a premiação apresentada por Tina Fey e Amy Poehler e feita a distância entregou um show morno, e sem surpresas em um ano que a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, responsável pelo prêmio, se vê inserida em grande polêmicas.

 

Lily Collins – Emily in Paris (Netflix)

 

Durante a semana que antecedeu o prêmio, a nomeação de “Emily em Paris” para Melhor Série de Comédia ou Musical que já tinha feito barulho, voltou a causar na imprensa com a revelação de práticas consideradas corruptas por parte da equipe da Netflix, ao levar votantes para acompanhar as gravações da série em Paris em meio a muito luxo, o que é contras as regras.

 

Se já não bastasse essa polêmica, voltou a atenção da mídia que entre os 87 votantes do prêmio, nenhuma das pessoas é negra, trazendo a tona novamente o quanto o racismo de Hollywood está enraizado em suas premiações. E para completar, vários projetos de diretores, escritores e atores negros foram esnobados pela premiação, e foi citando todas essas questões que Tina e Amy iniciaram a noite com um monólogo feito pela internet, com cada uma em uma ponta do país.

 

Em uma cerimônia marcada pelos discursos pela democracia, em visão dos últimos acontecimentos nos EUA com a saída de Trump, e cutucadas a própria premiação com suas esnobadas e sua falta de diversidade, os problemas técnicos foram o de menos, alguns discursos longos de mais, conexões não tão boas, e muitos pijamas não eram nada menos do que já esperávamos em uma premiação feita pelo Zoom, em decorrência da pandemia do Covid-19.

 

A premiação foi realizada à distância pela primeira vez devido às restrições impostas pelo COVID 19.

No espaço reservado a TV, Netflix saiu grande vencedora levando o prêmio de Melhor Série de Drama por “The Crown” e Melhor Série Limitada ou Filme para TV com “O Gambito da Rainha”. A série sobre a monarquia britânica levou mais 3 prêmios com seu Príncipe Charles e Princesa Diana (Josh O’Connor e Emma Corrin) levando Melhor Ator e Melhor Atriz de Drama junto com a Margaret Thatcher de Gillian Anderson de Melhor Atriz Coadjuvante. Já a rainha do xadrez ganhou mais um com Melhor Atriz em Série Limitada para Anya Taylor-Joy. Na comédia “Schitt’s Creek” continuou seu reinado desde que varreu o Emmy no ano passado, levando 2 prêmios, Melhor Série de Comédia ou Musical e Melhor Atriz Coadjuvante com Catherine O’Hara.

 

Chloé Zhao foi a primeira diretora asiática a levar o prêmio da categoria

 

No Cinema grandes feitos foram feitos e o grande ganhador da noite de Melhor Filme de Drama, “Nomadland”, da diretora Chloé Zhao, também levou Melhor Direção, sendo apenas a segunda mulher a levar o prêmio na história do Globo de Ouro, sendo a primeira de origem asiática. Ainda no drama, Andra Day levou a de Melhor Atriz, interpretando Billie Holiday no filme “Estados Unidos Vs Billie Holiday” se tornando a segunda mulher negra na categoria. “Soul” levou em Melhor Animação e Melhor Trilha Sonora, a última fez que uma animação ganhou Melhor Trilha Sonora foi há 11 anos atrás com “Up – Altas Aventuras”.

 

Rosamund Pike levou o prêmio de Melhor Atriz em Comédia

A volta do icônico Borat em “Borat: fita de cinema seguinte” rendeu a Sacha Baron Cohen o Melhor Filme de Comédia ou Musical e Melhor Ator em Comédia, enquanto Melhor Atriz em Comédia ficou com Rosamund Pike do último lançamento da Netflix “Eu me importo”. Melhor filme em língua estrangeira foi para “Minari – Em Busca da Felicidade”, filme americano, mas com diálogos em sua maioria em coreano.

 

Jane Fonda, como homenageada, destacou o dom de contar histórias em seu discurso

 

Jane Fonda foi uma das homenageadas da noite, com uma retrospectiva de carreira de dar inveja a qualquer um e um discurso tocante sobre contar histórias, a atriz e ativista trouxe atenção para o que aprendeu e a importância dos indicados na noite, e também para outras produções como “I May Destroy You” de Michaela Coel, tida para muitos como a grande ignorada do Globo de Ouro esse ano ao ganhar o Cecil B. DeMille, prêmio destinado a pessoas que tiveram importância e contribuições significativas na indústria cinematográfica. Outro discurso que marcou a noite foi o de Taylor Simone Ledward, esposa de Chadwick Boseman, que levou o prêmio de Melhor Ator em Filme de Drama por “A Voz Suprema do Blues”, em um discurso emocionante, ela agradeceu em nome do marido, que faleceu no ano passado em decorrência de um câncer.

 

Chadwick Boseman levou o prêmio de Melhor Ator em Filme de Drama por “A Voz Suprema do Blues”.

 

Laura Pausini, Jodie Foster e Daniel Kaluuya estão entre outros ganhadores. Você pode conferir a lista completa clicando aqui.

 

Que em 2022, os famosos possam todos se reencontrar no Beverly Hilton Hotel e quem sabe com um pouco de álcool a premiação possa voltar a ser a mais divertida de Holywood?!

Deixe o seu comentário

Edenil Júnior
Edenil Júnior
Vindo (para não dizer foragido) do interior sul de Minas, mora em BH tentando ser designer gráfico. Perdidamente apaixonado por cinema, música, séries, podcasts e tudo que há de bom na cultura pop, adora fazer um bolão com os amigos para o resultado de qualquer premiação, se tem red carpet, discursos e famosos, ele vai tá atrás de links clandestinos. Boatos que já foi visto seminu pelas ruas de Belo Horizonte, mas nada comprovado...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *