Colunas Rolê Fotográfico Turismo

Rolê Fotográfico: Centro Cultural Banco do Brasil

Olá! Tudo bom? Continuando o passeio pelo Circuito Liberdade (apesar de algumas reformas por lá) falamos do Museu Minas Vale e do Museu das Minas e do Metal. Nesse rolê vou falar de um dos mais famosos e frequentados prédios da Liba, um espaço alternativo, descolado e que caiu nas graças dos frequentadores da praça. Vem comigo que vou falar do Centro Cultural Banco do Brasil, o CCBB BH.

História

Sua construção é robusta e com detalhes sutis. Seu estilo é o neoclássico, assim como os outros prédios “irmãos”, e é também um dos maiores edifícios da praça, só não sendo maior que o seu vizinho a Secretaria de Viação. Talvez o prédio onde hoje é o CCBB tenha sido o que mais abrigou secretarias comparado aos outros da praça. Sua inauguração foi no dia da independência em 1930 abrigando a Secretaria de Segurança e Assistência Pública e logo depois foi reanexada se tornando a Secretaria do Interior. Semanas após a sua inauguração aconteceu a Revolução de 1930 o prédio passou a sediar o Comando das Forças Revolucionárias, abrigando os batalhões, realizando alistamentos, etc. As duas últimas secretarias abrigadas no histórico prédio foram as de Defesa Social e a Procuradoria Geral do Estado.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em 2009 o prédio foi fechado para se tornar mais um atrativo cultural do Circuito Liberdade. Em 2010 foram achadas mais de 500 armas entre facas, punhais e pistolas enterradas em um baú, há indícios que elas podem ter sido usadas mesmo na revolução, ou tendo sido enterradas antes do período, pois não se sabe ao certo a época, mas elas já devem estar passando por um procedimento de restauração.

Referência Cultural

Com o objetivo de levar cultura, arte e lazer para a população, o Banco do Brasil começou em 1989 um projeto de criação dos Centros Culturais – geralmente em antigas sedes do banco – e possui sedes no Rio de Janeiro (a primeira delas), São Paulo, Brasília e a última em BH sendo inaugurado em 2013. Totalmente reformado e restaurado, o CCBB BH é um grande espaço que ocupa 8.000 m² onde pelo menos 1000 m² para exposições, duas salas permanentes para exposições, teatro com 264 lugares, sala multiuso para atividades audiovisuais, oficinas, palestras e outros eventos. O espaço que mais gosto é a loja com vários livros de literatura, arte, história e música, além de lembrancinhas e presentes como: ecobags, cadernos, canecas, imãs e produtos alusivos às exposições que são sediadas. No térreo, além de um espaço multiuso onde pode acontecer a extensão de algumas exposições, há também o Café com Letras e o Sou Café, uma livraria, fraldário, guarda-volumes e recepção com recepcionistas bilíngues, trazendo o máximo de conforto e acessibilidade para o visitante.

Lindo e reformado!

Periodicamente, o CCBB BH recebe grandes exposições, algumas marcantes como a exposição das obras de Piet Mondrian e o movimento De Stijl, a exposição Entre Nós, o ComCiência e a exposição do Kandinsky. A exposição principal que está no CCBB hoje é do artista Jean-Michel Bascuiat (1960-1988), um dos mais famosos grafiteiros e um dos mais significativos artistas neoexpressionistas do século XX. A exposição é inédita e possui um acervo composto por mais de 80 quadros, desenhos e gravuras. Ele desenvolveu um estilo novo e expressivo, e tornou-se um dos destaques da retomada da pintura figurativa na década de 1980. A obra personifica o caráter de Nova Iorque nos anos 70 e 80, quando a mistura de empolgação e decadência criou um paraíso de criatividade. Ah, e não se preocupe, pois a exposição ficará no CCBB até o dia 24 de setembro.

O CCBB-BH é uma das melhores atrações do Circuito Liberdade, pois tem uma variada programação para idades e públicos de estilos diferentes. Atualmente é a sexta instituição cultural mais visitada no Brasil e a 95º do mundo, de acordo com o ranking da publicação inglesa The Art Newspaper (abril/2014). Além de ser um ótimo espaço para acesso à arte, é também um bom espaço de convívio e conhecimento. O CCBB se tornou referência no cenário cultural de Belo Horizonte. Seu funcionamento é sempre de 9 às 21 horas, funcionando todos os dias com exceção das terças quando está fechado.

Segue as fotos da visita. Espero que tenha gostado, e até o próximo rolê!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fontes:

Centro Cultural Banco do Brasil – Belo Horizonte

Belo Horizonte

Deixe o seu comentário

Diego Martins
Diego Martins
28 anos, Atleticano, formado em Design Gráfico pelo UniBH e em fotografia pela Escola Metrópole. É apaixonado por futebol, história, arte, mesa de bar com uma boa conversa e tem a fotografia como sua mais nova paixão. Quando não está fotografando, adora ver filmes, seja em casa ou no cinema. Não trocaria Belo Horizonte por lugar nenhum do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *