Colunas Crítica Musical Culturaliza Música Resenha

The Beatles: Abbey Road completa 50 anos sendo um dos percussores do Rock mundial

Álbum reforça toda a maestria de John Lennon, Paul McCartney, Ringo Starr e
George Harrison; Alan Parsons foi o técnico de som deste clássico

 

 

Uma década e nada mais! Assim os The Beatles, uma das maiores bandas do rock do mundo encerraram a sua carreira de vez na música. Com o álbum “Abbey Road (1969)” o grupo conseguiu ao mesmo tempo o que poucas bandas no fim de carreira conseguem: agradar os fãs e ainda deixar um gostinho de quero mais. E não era para menos! O álbum traz em sua capa os quatro integrantes atravessando uma das avenidas mais famosas de Londres, a Abbey Road (trajeto ao qual eles passaram 10 anos indo e vindo para gravar seus discos na Apple Records) e músicas muito bem escritas pelos quatro integrantes. O resultado de tudo isso? Mais de 90 mil cópias vendidas em todo o mundo! O álbum é um dos mais icônicos do rock mundial já que depois dele, Led Zeppelin, Black Sabbath, Pink Floyd e tantos outros grupos surgiram de vez na música. Além disso, ele está na lista dos 200 álbuns definitivos no Rock And Roll Hall Of Fame tendo como técnico de som o Alan Parsons.

 

Para se ter uma ideia do tamanho sucesso de “Abbey Road (1969)”, basta escutar a primeira faixa do álbum, “Come Together”, que além de ser uma das mais conhecidas no cenário, também foi regravada por diversos artistas, invlusive o “Rei do Pop” Michael Jackson no final dos anos de 1980. John Lennon está demais na canção. Se não bastasse a primeira faixa, a canção “Something”, vocal de George Harriso, foi considerada como umas das 100 melhores músicas do século XX. Com “Maxwell Silver Hammer” Paul McCartney traz toda a sua simpatia e vocais bem próximos do que veríamos no grupo Wings.

 

“Oh! Darling” também traz toda a potência vocal de Paul McCartney. Seu timbre está incrível, algo também visto no Wings já no primeiro disco em 1970. Quem também aparece muito bem é Ringo Starr. Com “Octopus’s Garden” ele dá o tom necessário. A música é sem sombras de dúvidas um sucesso inesquecível dos The Beatles. Com “I Whant You” John Lennon mais uma vez deixa rastros do que veríamos logo depois em sua carreira solo. É incrivel. Já em “He Comes The Sun” George Harrison traz um violão inesquecível. A faixa foi também uma das mais executadas do álbum. “Because” é mais uma faixa marcante. Nela os quatro integrantes trazem um vocal incrível. Com “You Never Give Me Your Money”, “Sun King”, “Mean Mr. Mustand” e “Poluthene Pam”, John e Paul fazem uma sequência bem Rock And Roll em “Abbey Road (1969)” até chegar em “She Came I ln Through The Bathroom Window”. Nela Paul McCartney traz um vocal incrível.

 

Com a bela “Goldem Slumbers” Paul McCartney emociona o ouvinte e fã mais assíduo dos The Beatles. A música traz uma sonoridade única e um vocal inimitável. Já em “Carry The Wait” o grupo começa a se despedir do público até chegar em “The End” que traz muita qualidade sonora, vocais e letra emocionantes. Com a última canção do álbum, “Her Majesty” os The Beatles se despedem de vez. A música traz consigo traços do que viria a ser a carreira de Paul McCartney também durante mais 10 anos no grupo Wings.

 

Avaliação

 

Escuto os The Beatles desde criança, mas, só fui conhecer o álbum “Abbey Road (1969)” de verdade aos 16 anos. Claro que algumas músicas dele eu conhecia, mas não a maestria completa do disco. Um álbum que ficou marcado pela despedida de uma das maiores bandas do planeta e eternizado com as canções: “Come Together”, “Something”, “Oh! Darling”, Octopus’s Garden” e a única “Here Comes The Sun”. Aliás, deste magnífico álbum indico essas canções acima e avalio com cinco estrelas (máxima), pois, por ser uma despedida, os The Beatles souberam realmente como agradar. São 50 anos de história na música mundial e mesmo tendo sido lançado há tanto tempo, o álbum ainda soa moderno perante as mudanças tecnológicas musicais que permeiam no mercado fonográfico digital. Escute “Abbey Road (1969)” e tire suas próprias conclusões.

 

 

Até a próxima Crítica Musical.

Crítica Musical é publicada neste espaço toda quinta-feira.

Felipe de Jesus
Felipe de Jesus
Jornalista, Teólogo, Sociólogo, Letras (Literatura). Tem Mestrado em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação, Doutorado em Ciências Sociais e atualmente cursa Direito e Ciências Econômicas: Economia. Apaixonado por música, colabora com rádios e portais falando sempre sobre álbuns, coberturas de shows e etc. Tem como hobbie comprar CDs e também vinis. "Minha paixão pela música brasileira me faz quase um pesquisador. Um amor que vem da adolescência".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *