Colunas Literaliza BH Literatura Livros

Literatura infantil: 6 livros que ensinam muito a pais e filhos

“Uma história infantil que só pode ser apreciada por crianças não é uma boa história infantil” C.S. Lewis

A frase célebre do escritor irlandês, Clive Staples Lewis, dono de diversas publicações voltadas para o público infantil, como As Crônicas de Nárnia, sintetiza a força da literatura deste público para encantar as crianças e tocar também os pais. 

 

São eles os primeiros responsáveis por inserir os pequenos no mundo mágico da literatura, em promover o contato inicial, seja ouvindo a narração de uma história antes de dormir, seja brincando de folhear aquelas páginas coloridas e ricas de conhecimento ainda não explorado. O incentivo à leitura infantil não deve ser exclusividade apenas da escola.

 

A psicóloga e especialista em Terapia Cognitivo Comportamental, Renata Borja, ressalta a importância do exemplo dos pais na formação do leitor. Segundo a especialista, a criança copia o que vê e não o que dizem para ser feito. Se um pai disser para ela ler, mas ele não tem essa prática, ela dificilmente entenderá a leitura como algo positivo ou algo a ser copiado. “O nosso comportamento é moldado pela nossa percepção das circunstâncias vividas. Portanto, se o ato de ler for desprazeroso ou significar algum tipo de punição ou castigo poderá gerar aversão, mas se a leitura for estimulada e associada a algo bom ela terá um significado positivo que poderá trazer prazer”,conta.

 

As histórias infantis trazem ensinamentos que vão muito além do entretenimento e do lúdico. É aquela conhecida “moral da história”, lições que podem ensinar pais e filhos a promoverem um mundo melhor, sem preconceito, com solidariedade e empatia.

 

Tem a história do patinho que sofria bullying porque era considerado feio. A do garoto que a cada mentira contada crescia o nariz. Ou da bela garota que ignorou os estereótipos da aparência e se apaixonou por uma fera. Quantas lições de amor, amizade e compaixão os livros clássicos e os contos de fadas ensinaram e encantaram as gerações.

 

literatura infantil evoluiu trazendo não apenas o mundo mágico, mas abordando temas sérios, de extrema importância para a sociedade contemporânea, como preservação do meio ambiente, preconceito racial e religioso e bullying. Sendo assim uma arma poderosa contra a intolerância, a falta de empatia e rancor que permeiam nosso dia a dia. Uma fonte inesgotável de conhecimento também para os adultos.

 

Conheça 6 livros nacionais que vão divertir e ensinar as crianças, mas sobretudo também conscientizar os pais.

 

 

Omo-Oba | Kiussan Rodrigues: O livro apresenta histórias de orixás femininas, protagonistas negras, que carregam nos nomes o peso do preconceito das religiões de matrizes africanas, historicamente demonizadas no Ocidente. De uma forma leve e lúdica, conhecemos as princesas Oiá, Oxum, Iemanjá, Olocum, Ajê Xalugá, Oduduá. Ambas têm em comum seu amigo Ogum. Uma história de crianças, vivendo no mundo de fantasia, com seus dilemas, moral da história, nada diferente do que a literatura infantil americana ou inglesa tem para nos oferecer. Em pouco mais de 40 páginas aprende-se sobre respeito, empoderamento feminino, generosidade, amizade e ainda quebra preconceitos enraizados na sociedade. Veja a resenha completa aqui.

 

 

 

Malala – A menina que queria ir para a escola | Adriana CarrancaO livro é uma versão infantil da comovente história da paquistanesa Malala Yousafzai. A protagonista nada mais é que a pessoa mais jovem a receber o Prêmio Nobel da Paz, em função da sua luta pela direito à educação das mulheres, chegando inclusive a sofrer um atentado que colocou sua vida seriamente em risco.  O livro ilustrado pela jornalista brasileira Adriana Carranca traz detalhes sobre a vida durante uma guerra, a situação da mulher em países de religião muçulmana, e a luta para se conseguir o básico, como ir a uma escola.

 

 

 

 

Flicts | Ziraldo: Referência em literatura infantil brasileira, este é o livro de estreia do cartunista Ziraldo, lançado em 1969.  Flicts traz o dilema de uma cor, sem vida, deslocada e que ninguém quer usar. “Nada no mundo é Flicts ou pelo quer ser”. Flicts, que é uma cor representada no livro como algo semelhante a bege ou nude, tenta de todas as maneiras encaixar-se entre as demais cores, se misturar, mas sempre é rechaçada por elas. O livro mostra que tentar se encaixar muitas vezes é uma furada. O negócio mesmo é ser nós mesmos. Com frases como: “Por favor não vá querer quebrar a ordem natural das coisas” _ disse o violento, Violeta; “Não tem lugar pra você” _ disse o Laranja; “Não quebre uma tradição” _ disse o Azul Anil; Flicts dá lições sobre bullying, aceitação, e combate a preconceito.

 

 

A fada que bordava na seda | Beth Timponi: Conta a história da bailarina Isadora que, após levar um tombo no palco, se fechou para o mundo e passou a viver reclusa em sua casa. Ela era vizinha de Pânfila, também conhecida como a fada bordadeira que tinha o incrível dom de fazer lindos bordados na seda, um dos tecidos mais difíceis de costurar. Preocupada com a situação de Isadora, Pânfila decidiu chamar atenção da vizinha e tentar transformar o lar e a sua vida em algo mais feliz.  A fada que bordava na seda aborda, de forma singela, a depressão e como as pessoas podem ajudar. É uma história fofinha de amizade, respeito, resiliência, empatia, sensibilidade e companheirismo. Leia a resenha completa aqui

 

 

 

As árvores invisíveis | Leida Reis: Conta a história de Sebastião, um menininho apaixonado pelas árvores e que sonha em visitar a Floresta Amazônia apenas para abraçá-las. Sebastião vive numa cidade grande e percebe, sempre ao sair de casa, criaturas estranhas que passam despercebidas pelas ruas, e pelas pessoas presas nos seus celulares, imersas nos fones de ouvido. Nada mais atual possível, né? A mensagem final do livro é abrir os olhos para o nosso redor, enxergar um pouco com os olhos de alma e sair da mesmice. Além disso, o livro conscientiza sobre a importância das árvores e da preservação da natureza. Traz um personagem completamente brasileiro desde o nome (chega de nome americanizado), a um protagonista negro, tão ausente na literatura brasileira. É um livro que promove a cultura indígena, trazendo um pouquinho dos ensinamentos do povo Ticuna. Leia a resenha completa aqui.

 

 

 

O João-de-Barro e o Mar de Lama | Grazi Reis: A tragédia da mineradora Samarco no distrito de Bento Rodrigo, em 2016, contada sob os olhos do pássaro, Jão. É uma história sobre consciência ambiental, solidariedade e empatia. Mas, sobretudo, para eternizar nas páginas de um livro, o impacto dessa tragédia para a vida humana e meio ambiente.

 

 

 

Benefícios da leitura para as crianças:

  • Melhora a comunicação
  • Estimula a criatividade e a curiosidade
  • Desenvolve capacidade de concentração
  • Aumenta o conhecimento e cultura
  • Ajuda a desenvolver a personalidade

Benefícios da leitura para os adultos:

  • Ajuda a prevenir a doença de Alzheimer
  • Auxilia no tratamento de transtorno de ansiedade e depressão
  • Afasta a solidão
  • Exercita o cérebro
  • Melhora a escrita e a escuta
  • Estimula a empatia e a tolerância
  • Melhora a capacidade crítica e analítica

O Dia Nacional do Livro Infantil é comemorado no dia 18 de abril. A data é uma homenagem a um dos principais escritores da literatura nacional, Monteiro Lobato. 

 

Você já leu alguma dessas obras? Qual livro você indicaria para incentivar a leitura infantil?

 

Vem ler outras notícias do universo literário. Clique aqui!

Harry Potter 20 anos! A experiência de leu depois dos 30 anos

Grandes incentivadoras da literatura, bancas de jornal e revista resistem ao tempo

Clube de Leitura das Minas valoriza a literatura feminina e empodera leitores em BH

Clube de Leitura do Belas preza pelo ineditismo e outras pouco conhecidas do grande público

 

Esta coluna é publicada invariavelmente as segundas, porque às vezes o livro é bem grande (rs)

Envie seu e-mail para a colunista: [email protected]

Quer saber mais sobre literatura acesse: www.literalmenteuai.com.br

 

Elis Rouse
Elis Rouse
Sou Elis, não sou Regina; sou do interior e amo a capital; sou jornalista, mas não trabalho em jornal; amo ler, sonho escrever; dicas vou dar, dicas quero receber; experiências vamos trocar; literatura brasileira vamos amar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *