Cobertura Destaque Resenhas Shows

Pitty mostra que continua em grande forma com a turnê “Matriz”

Em um show apoteótico, a baiana Pitty fez tremer o chão do Hangar 677, na sexta pra sábado, dia 23/11. Com um setlist repleto de seus maiores sucessos, a cantora matou a saudade dos fãs mineiros com a turnê “Matriz”, já que ela não aparecia por aqui desde 2015.

 

A abertura do show ficou por conta da banda belo-horizontina Riviera. Formada por cinco caras (Vinícius Coimbra – Voz e Guitarra, Rafa Giácomo – Guitarra e Voz, Rapha Garcia – Baixo e Voz, Tulio Braga – Bateria), o grupo pertence a cena independente de BH. Com um instrumental pesado e de extrema competência, que contrasta com a voz melódica do vocalista Vinícius Coimbra, a banda fez um ótimo esquenta para o show principal.

 

Foto: André Camargos

Após uma pequena espera, Pitty subiu ao palco com pé na porta e não decepcionou o público que estava presente no Hangar. As músicas “Admirável Chip Novo” e “Anacrônico” jogaram a plateia pro alto. O show continuou com a energia lá em cima com as faixas “Sete Vidas” e “I Wanna Be”.

 

Desacelerando um pouco, Pitty apresentou uma de suas novas músicas, o reggae “Te Conecta”, que foi lançada no mês agosto e estará presente em seu novo albúm, previsto para o ano que vem. Ainda numa vibe mais calma, a balada “Na Sua Estante”, um dos maiores sucessos da cantora, foi cantada em um grande coro junto com público. Já a música “Um Leão” encerrou a primeira parte da apresentação.

 

Na segunda parte, Pitty trouxe um momento mais intimista pro show. Sentados em alguns baús, ela e sua banda apresentaram um mini acústico. “Teto de Vidro” e “Temporal” deram início ao acústico, que seguiu com um cover de “Paisagem da Janela” de Lô Borges e terminou com “Dançando”, música de seu projeto paralelo Agridoce.

 

Foto: André Camargos

 

Voltando para o som mais pesado, Pitty e sua banda executaram a canção “Semana Que Vem”. Logo em seguida, as canções “Desconstruindo Amélia” e “Me Adora” foram cantadas em alto e bom som pelo público. Outra nova faixa de trabalho foi tocada, a diferente “Contramão”. Encerrando a apresentação de maneira triunfante, o clássico “Máscara” levou a plateia ao êxtase.

 

Para o bis, Pitty voltou quebrando tudo e tocou a música mais pedida por grande parte dos presentes, a balada “Equalize”. “Pulsos” e “Serpente” foram escolhidas para fecharem de vez o show e confirmou que Pitty, após dois anos longe dos palcos, continua em grande forma.

 

Veja mais fotos do show:

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Deixe o seu comentário

Guilherme Dias
Guilherme Dias
Desde de sempre, gosto de contar histórias e vi no jornalismo a oportunidade perfeita para fazer isso. Não vivo sem filmes, livros e música, principalmente rock n’ roll.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *