Culturaliza Literatura Poesia

Poetiza BH: A polis ideal (menos Platão mais Sade)

Como a cidade calma
Lava enfurecida
Calada
No peito do homem
Do ônibus
No riso por debaixo da saia
Da medusa que me endoida
Que avoa até dentro de mim
Como a cidade clama
A areia fina que impede o amor
Enquanto negócios são feitos
Aquilo que nos torna agentes
Da própria mazela
Esquecida quando o copo esvazia
Mais ainda
Quando o prédio salta
E o gozo explode o semáforo
Sem preguiça
Não poesia
Arrefecedora
Não umidade
Ante gemido
Tudo que cala em si
Na tarde do inverno
Invade quando vem o sertão
E debaixo
Das rendas
Contra a lei
Diante dela
Arremesso o corpo
E você me alcança
Enquanto isso
A cidade
Por vezes dorme
Enquanto trememos
Tudo certo
“como dois e dois são cinco”
E como
E como
A cidade
Você…

B.

 

Poema de Bernardo Nogueira

Foto: Wagner Correa

Instagram: Café de Imagens

Deixe o seu comentário

Bernardo Nogueira
Bernardo Nogueira
Professor da Escola de Direito do Centro Universitário Newton Paiva, mestre em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, doutorando em Direito pela PUC/MG, autor dentre outros dos livros: "Cinema com Filosofia", "FOTOcontinuo", "Avôrio", "Direito e Literatura". Talvez poeta...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *