Cinema Colunas Luiz, Câmera, Ação Resenhas

Luiz, Câmera, Ação: Os Croods

Filme: Os Croods 

Gênero: Animação, comédia, aventura, família 
Diretor: Chris Sanders, Kirk De Micco

Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=T-LzEPS7ji4

 

 

O faz de conta que encanta

 
Já parou para pensar em como as animações do cinema agradam tanto a crianças quanto a adultos? Eu mesmo sempre gostei desses filminhos, desde a época dos clássicos da Disney, como “O Rei Leão”, “Pocahontas” e “Aladdin”, a que assistia vidrado e repetidamente com meus pequenos sobrinhos, tudo em VHS. Tudo bem que, naquela época, eu era adolescente, e filmes infantis faziam parte da minha rotina. Mas eu cresci e continuei a saga em animações, tendo como favoritos uma lista infinita, que passa por “Madagascar”, “A Era do Gelo”, “A Fuga das Galinhas”, “Shrek”, “Ratatouille”, “Procurando Nemo”, “Kung Fu Panda”, “Rio”, “Os Incríveis” e “Up: Altas Aventuras”, até chegar ao último que revi nesta semana e sobre o qual me bateu aquela vontade de escrever: “Os Croods”, que está disponível no Now.
 
 
Se for parar pra pensar, além da diversão em si, de os desenhos serem muito bonitinhos e perfeitos e das belas histórias que te prendem e te encantam, essas animações sempre tiveram excelentes lições de moral, que servem para a formação das crianças e caem como uma luva na vida de muitos adultos. Seja na princesa dando valor à beleza de uma fera, na diferença entre cães e gatos ou no choque de dois mundos entre a moça moderna e um Tarzan, conseguimos tirar proveito da história, e aquelas horas de filme se tornam muito mais que uma simples comédia.
 
 
Em “Os Croods”, o medo de Grug, o pai ogro de uma família das cavernas, garante a sobrevivência a todos naqueles tempos nada fáceis e pré-históricos. Só que a filha mais velha, Eep, com ares de rebeldia, quer conhecer o novo, buscar o mundo além da caverna, para, assim, deixar de sobreviver e começar a viver. Tudo começa a mudar quando ela conhece o rapazinho aventureiro Guy, que lhe apresenta a realidade cheia de mudanças e a iminente chegada do “fim do mundo”. Se os baixinhos já podem tirar algo proveitoso dessa luta pelo medo do que é novo, os altinhos também deliram com um roteiro com grandes sacadas familiares, como a relação do casal, os reflexos disso na criação dos filhos e, ainda, a popular raiva da sogra.
 
 
Mas o que mais me marcou e me emocionou (sim, eu choro até em animações) foi a importância dada à necessidade de dizer, pra ontem mesmo, que amamos alguém. Por mais escura que seja uma caverna ou por mais difícil que seja se alimentar entre animais ferozes, lutando pela  sobrevivência, é um  dever interior demonstrar o que se passa no coração, valorizar até aquele mais antigo, esquecido e pré-histórico sentimento que está ali escondido. Se até uma adolescente rebelde e cavernosa conseguiu fazer isso, imagine nós, contemporâneos, tecnológicos e milimetricamente avançados?! É só largar aquele osso rotineiro, explorar o desconhecido sentimental e delirar com as criações e descobertas diárias, como se tudo fosse grande como a criação da roda ou a fascinante descoberta  do fogo. Isso, sim, é evolução da espécie.
 
 

“Luiz, Câmera, Ação” é publicada neste espaço toda sexta-feira

Deixe o seu comentário

Luiz Cabral
Luiz Cabral
Palpiteiro de plantão, Cabral é, atualmente, responsável pelas colunas SuperDicas (@superdicasbh), com sugestões de gastronomia e diversão na capital; Nossas Histórias, com textos de cotidiano e comportamento; e Luiz, Câmera, Ação – www.luizcameraacao.com, com indicações de filmes e reflexões sobre o que a magia do cinema faz nas nossas vidas. A sétima arte, inclusive, é a sua maior paixão. Aqui neste espaço ele vai narrar, com sensibilidade e crítica, como um filme pode ser muito mais que duas horas de diversão na poltrona do cinema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *