Culturaliza Literatura Poesia

Poetiza BH: Cores invasoras

Enquanto distraído
Como são as manhãs de amar
Logo depois da noite
Sem vigília
Pois há samba
Quando cambaleio pela calçada
Os muros me abraçam
E nos envolvemos
Em grandes alardeios
Em que o vizinho se espanta
Essas cores encenam em meu corpo
E a cidade
Com barulho
Nem imagina da madrugada
Mas era de manhãs que falávamos
Porém
Uma manhã em que uma árvore flore
A gente só sabe não acordar
Ainda com seu pólen
Meus pés oscilam
Entre ontem e um pra sempre
Talvez seja assim o dia do amor
Deitado na manhã
Vejo meu corpo pulando o muro
Amar é um precipício colorido
Ninguém segura…

 

Poema de Bernardo Nogueira

Foto: Wagner Correa

Instagram: Café de Imagens

Deixe o seu comentário

Bernardo Nogueira
Bernardo Nogueira
Professor da Escola de Direito do Centro Universitário Newton Paiva, mestre em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, doutorando em Direito pela PUC/MG, autor dentre outros dos livros: "Cinema com Filosofia", "FOTOcontinuo", "Avôrio", "Direito e Literatura". Talvez poeta...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *