Culturaliza Literatura Poesia

Poetiza BH: Contos de não fadas

Há segredo
E não que haja segredo escondido
Não se trata de desvendar
Ahhh
Essas pessoas que acreditam segredos desvendáveis
Se fosse assim
Já não era segredo
Já era
O segredo sempre já era
Nas curvas dessas escritas
Construções de paisagens
Em que sorria um Niemayer
De dentro das janelas namoradas
As árvores se contorciam ante o dia
E o segredo no crepúsculo
Sabia que segredo é crepúsculo?
Sabe lá se dia ou noite
Sabe que curvas
Esbeltas ante meus olhos segredosos
Por onde choro
Pouco vejo
Uma vez que guardo em segredo
O mesmo que me atiçou
Quando toquei suas curvas
Me perdi de olhos
Agora
Úmido
Mudo
Choro
E espero a primavera
Enquanto suas curvas sussurram depois do amor
Em segredo…

 

Poema de Bernardo Nogueira

Foto: Wagner Correa

Instagram: Café de Imagens

Deixe o seu comentário

Bernardo Nogueira
Bernardo Nogueira
Professor da Escola de Direito do Centro Universitário Newton Paiva, mestre em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, doutorando em Direito pela PUC/MG, autor dentre outros dos livros: "Cinema com Filosofia", "FOTOcontinuo", "Avôrio", "Direito e Literatura". Talvez poeta...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *