Culturaliza Literatura Poesia

Poetiza BH: Coisas Reais

Enquanto isso eu sonho
A todo momento sonho
Nenhum respiro
E ali
Sonho
Nada de coisas etéreas
É jeito de pisar no chão
Sentir saudade danada
Da filha
Do trem
Do avô
Desse amor que não pode ser outra coisa
Que sonho
Porque é chatíssimo
Quem diz:
Sonho é coisa de gente que vive sonhando!
Não me digas?
Promete?
Mas aí é outra onda
Porque promessa é sempre certeza que não tem agora
Senão
Aqueles que vem
Ali de novo
E se vem
É sonho sabe
Então
Deixemos de coisa
De coisa chata de não haver
Senão
Sonho
Porque senão acaba até o tempo
Que a gente sonha
Que vem daqui a pouco
Ao fim do poema que sonhei
Apareceu seu rosto
Infinito que só
Do jeito que eu sonhei

B.

 

 

Poema de Bernardo Nogueira

Foto: Wagner Correa

Instagram: Café de Imagens

Deixe o seu comentário

Bernardo Nogueira
Bernardo Nogueira
Professor da Escola de Direito do Centro Universitário Newton Paiva, mestre em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, doutorando em Direito pela PUC/MG, autor dentre outros dos livros: "Cinema com Filosofia", "FOTOcontinuo", "Avôrio", "Direito e Literatura". Talvez poeta...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *