Literatura Poesia

Poetiza BH: De quem não é Belchior, mas queria…

Quantas vezes me arremessei
Dos postes
Até a sacada do dia
Que me diziam seus olhos
Por quantos invernos esperei suas mãos
Lançado das nuvens para dentro dos seus caprichos
De tantas formas deixei a cidade desabar
Só para que me olhasse
Quantos voos partiram
E seus pés
Sem tocar os meus
Pela intimidade com que escrevo
As pontes
Suspensas
Parecem me ouvir
Concedem passagem
Em instantes de tempo estático
Redesenhamos as ruas
E em uma esquina acabei por me encostar na sua
Dança que outra vez
Avoava em mim
Depois de tantos lances
Dado que já não tinha mais asas
Senti que amar não é coisa de céus
Já estava de novo arremessado para dentro do seu novo apartamento…

 

Poema de Bernardo Nogueira

Foto: Wagner Correa

Instagram: Café de Imagens

Deixe o seu comentário

Bernardo Nogueira
Bernardo Nogueira
Professor da Escola de Direito do Centro Universitário Newton Paiva, mestre em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, doutorando em Direito pela PUC/MG, autor dentre outros dos livros: "Cinema com Filosofia", "FOTOcontinuo", "Avôrio", "Direito e Literatura". Talvez poeta...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *