Literatura Poesia

Poetiza BH: Não Escritas

Pela estreita rua que nascemos
O choro é a primeira face que doamos
Talvez por isso
Quando há amor
Escorra
Haja vielas pra tanta cachoeira
Que é encontro
De água com barranco
Isso já disse um Rosa
Por mais que fuga
A água que passa
Leva sempre um pedaço
Dai que sejamos sempre
Pedaços
Que bonito é um mosaico
Um humano
Que é mosaico
Feitos de várias curvas
Fruto e fruta
Fecundado de passagem
Às favas essa coisa de um só
Que seja em mim
Toda a dimensão de mundo
Sobretudo do que não é
Para que haja invenção
Haja invenção!
Agora me recolho
Ao pé de mim
Escondido no entre da palavra que eu disse

E do poema que nunca escrevi
Que nunca hei de escrever
Enquanto estas letras caem pela tela
Menos um choro
Não devíamos escrever
Os poemas chegam após o encontro
Impossível!

Bernardo Nogueira
Bernardo Soares

Deixe o seu comentário

Bernardo Nogueira
Bernardo Nogueira
Professor da Escola de Direito do Centro Universitário Newton Paiva, mestre em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, doutorando em Direito pela PUC/MG, autor dentre outros dos livros: "Cinema com Filosofia", "FOTOcontinuo", "Avôrio", "Direito e Literatura". Talvez poeta...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *